No GuGolAqui mesmo

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

4 Coisas Que São Importantes Para O Corpo (ou não. Ah, esse post é machista)

Eai galerinha beleza? Vim aqui para mostrar como somos uns merda  como sabemos das coisas, e viemos dar aulas pra vocês. Isso mesmo, aulas sem você precisar de aulas e grátis! Apenas por 29,90 o frete mais 150,00 de juros.

Mentira. É de graça mesmo, mas enfim. Bem-viados são vocês à minha aula de Biologia. Eu sou o Prof. Gustavo e cursei o magistério e reprovei 15 vezes, fiz doutorado em Cúologia, e também reprovei 20 vezes mas isso não vem ao caso.

Bom, de qualquer modo, vamos começar a minha aula. Escrevam no caderno "Eu sou gay" "Os principais órgãos do corpo humano (porém um deles é inútil)".

1 - Ânus, popularmente chamado de cú (Porta que deixa sair as coisas para gays e mulheres, entrar também vale)




Em primeiríssimo lugar, esse órgão com certeza é algo muito importante. Na verdade, ele é um grande universo onde se habita planetas que são constituídos basicamente de...Merda. Isso mesmo, aquela coisa fedida que entope o vaso, ou então aquela coisa do cachorro daquela tua vizinha feia que você pisa sem querer. Eu já tratei deste assunto, mas estou falando dessa vez do ânus. O ânus é o que eu e os meus colegas da "Cúologia" chamamos de  "Saída de emergência". Hahahaha, vocês tem que admitir que essa foi engraçada. Bom, ele é formado por vários planetas: Toilet paper, mierda, inotoro, diarrea e etc. Bom, temos pouco tempo então vamos para o próximo item.

2 - Umbigo (Lê-se Inutilidades De Nosso Corpo mas vou postar mesmo assim)








Esse é uma parte de nosso corpo que basicamente só serve pra guardar sujeira naquela droga e depois ser obrigado a limpar todo dia. De acordo com o ÓÓÓHHGRANDESÁBIOGOOGLE (digam essa frase rapidamente e cantando):

Atualmente, o umbigo é utilizado como via de acesso na realização de laparoscopias e intervenções semelhantes, enquanto que o cordão umbilical interessa sobretudo como indicador da existência de alguma anomalia, já que se é curto ou longo demais, pode ser origem de algumas complicações obstétricas. De outro lado, depois do parto é conveniente revisar o cordão por dois motivos: por ele circulam duas artérias e uma veia, e se uma das artérias não está presente, ou então é muito rudimentar, isto pode ser um indício de alguma anomalia fetal, enquanto a existência de nódulos na extensão do cordão podem indicar uma hipóxia fetal. Tais análises também são possíveis por meio da fetoscopia. O cordão umbilical também pode ser um repositório de células sanguíneas com grande potencial de uso em casos de, por exemplo, leucemia.




Oh lord, eu entendi tudo... Laparascopia é aquela manteiga de se passar no pão. Obstétricas é a parente das ASStétricas. Chega de explicar, qualquer coisa procura no Wikipédia. Próximo item e último por que eu tô com preguiça de fazer. 


3 - Testículos (Mulheres prestem atenção neste post, isso irá mudar sua vida)




Hahaha, você achou mesmo que eu ia por testículos no post? Aqui é um blog de família (ou não)




Vocês irão ver como isso será mais fácil do que pensam:


Nome: Testículos
Função: Reproduzir-se (em linguagem de funkeiras e putas, chupar como pirulito ou bom...deixa pra lá)


4 - Vagina (Homens não prestem atenção neste post, isso nunca irá fazer diferença na sua vida:




Só não coloco por que vão me encher o saco depois XD






vagina (do latim vagĭna, lit. "bainha") é um canal do órgão sexual feminino dos mamíferos, parte do aparelho reprodutor, que se estende do colo do úteroà vulva, dirigido de cima abaixo e de trás para frente. A cada lado da abertura externa da vagina humana há duas glândulas de meio milímetro, chamadasGlândulas de Bartholin, secretoras de um muco lubrificante na copulação.A parte externa da vulva é denominada vestíbulo da vagina. Lá se encontram dois orifícios: orifício urinário (da uretra) e o orifício genital (da vagina).
A parte interna da vagina estende-se até à porção inicial do útero (colo), região denominada de fórnix da vagina. Todo esse conjunto é denominado canal vaginal. O canal vaginal apresenta duas partes de origens embriológicas diferentes, pois a origem do canal vaginal é promovida quando o útero se encontra próximo ao epitélio que formara o vestíbulo e começa a migrar para a sua posição final, o tecido epitelial é puxado, assim como o tecido do útero, formando assim o canal vaginal com sua porção superior formada por tecido proveniente do útero e a porção inferior do tecido epitelial; o hímen é formado com o estiramento do tecido epitelial de onde o útero estava próximo, promovendo assim um afinamento desta superfície.
O epitélio vaginal possui varias camadas e é descamativo, epitélio pavimentoso estratificado não–queratinizado, com uma característica interessantíssima: é rico em glicogênio. O glicogênio é jogado para dentro da vagina, onde se transforma em glicose, e a glicose, por causa da flora própria vaginal, é transformado em ácido láctico, tornando o pH da vagina ácido, que é importante. Sem essa acidez vaginal, a entrada de bactérias (coccus) vindas do reto e do ânus seria facilitada, propiciando as infecções na região.
O limite entre a vagina e a vulva constitui uma dobra, o hímen. Este encontra-se na porção anterior do canal vaginal, em mulheres que nunca tiveram relações sexuais, ou vestígios da estrutura, em mulheres que já tiveram relações.
O epitélio vaginal tem um vetor do conjuntivo para dentro da luz. O vírus da AIDS quando chega no epitélio vaginal encontra um ambiente não–favorável, ele não conseguiria entrar no epitélio vaginal porque o fluxo do epitélio vaginal é excretor e não absorvedor; a não ser que haja lesões no epitélio, chegando ao conjuntivo. O colo uterino seria uma alternativa como porta de entrada de micro-organismos porque entre o epitélio da vagina e do útero muitas vezes a mulher tem lesões.

A parte a seguir é importante:
A função da vagina é receber o pênis no coito e dar saída ao feto no momento do parto, assim como expulsar o conteúdo menstrual.


 A vagina possui um grande número de terminações nervosas e paredes elásticas, que no estado natural tem menos cerca de 7 a 8 cm, mas quando estimulada pode ser grandemente aumentada. Essa elasticidade é fundamental na ocasião do parto, para a saída do bebê.[1]
Nos bebês, a vagina é protegida somente pelo hímen, uma membrana fina com algumas perfurações que permitem a saída da menstruação. O hímen normalmente é rompido na primeira relação sexual, embora algumas atividades não relacionadas ao sexo possam eventualmente ocasionar esse rompimento. A perfuração do hímen causa um pequeno sangramento.
Bactérias naturalmente presentes na flora microbiana da vagina faz com que ela tenha um cheiro característico;[2] embora nem sempre um cheiro forte seja sinônimo de algum mal, muitas doenças sexualmente transmissíveis apresentam o mau cheiro como um dos sintomas. A preocupação feminina com o odor emanado por esse órgão faz com que algumas mulheres façam uso de sabões especialmente preparados para esse fim e apliquem soluções desodorantes próprias para o local.
Aos órgãos genitais femininos cabe a tarefa de produzir a célula reprodutora feminina, e de reter o produto da eventual fecundação, permitindo o seu desenvolvimento. São eles compostos dos ovários, onde a célula reprodutora feminina se forma, das tubas uterinas, do útero e da vagina, e ainda da vulva, ou seja, o complexo dos órgãos genitais externos.



Bom, a aula termina aqui. Bye,bye!

Nenhum comentário:

Postar um comentário